O Dia em Que a Terra Parou

“Todo abismo é navegável a barquinhos de papel.” (Guimarães Rosa)

É bem estranho escrever algo sobre no site de uma puta (ok, puta não – uma acompanhante de luxo, não é mesmo?).

Nós, costumeiramente pagas para trazer boas notícias e leveza ao mundo das pessoas comuns – embora esse não seja exatamente o meu forte – agora, instadas a falar de temas apocalípticos. Verdade que para um bom número de pessoas – o infame presidente do país onde resido incluso – não há motivo algum para mudar rotinas. “Apenas uma gripezinha” não pode parar o país. Mas basta uma espiadinha no que está acontecendo em outros lugares do mundo para se preocupar.

Aqui no meu cantinho, eu interrompi em definitivo os atendimentos presenciais. Em isolamento social voluntário, me dedico à leitura, à escrita e à organização do meu caos particular. Espero que todos fiquemos bem ao final disso!

A coisa bem boa é que a newsletter aqui do site vai sair com mais regularidade. A primeira da série Cartas para o Fim do Mundo saiu no sábado. Desejando ser incluído na lista, mande um e-mail para zenputismo@gmail.com com o assunto “me escreve!”, ou te inscreve tu mesmo pra receber as atualizações do site, no rodapé da página inicial.

Até breve, até breve. Um dia de cada vez. Superaremos essa fase logo, com certeza. Sorte para todos nós, precisaremos! <3

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *